top of page

Baby Reindeer - The Stalker and The Psychopathology of the Abusive Encounters

Updated: May 28

 Attention! Contains spoliers!!!

Baby Reindeer is a British 7-episode miniseries, available on Netflix.[1] The series is an adaptation of the individual and autobiographical show by Richard Gadd (Donny), creator and star of the series, based on her real life, recounting the persecution suffered by a stalker[2] and the sexual abuse suffered around the age of twenty.


Although it is an autobiographical adaptation, I take into account the poetic freedom of the narrative, as well as the freedom of interpretation of each character by their respective actors or actresses.


The story is very complex, full of impactful and significant nuances for understanding the plot, weaving a plot of symbolic meanings related to the trauma of sexual abuse, and the trauma subsequently caused by being the victim of a stalker, as well as the consequences of allowing a stalker to approach our lives, and those with whom we relate.


I will address the psychological defenses pertinent to an individual victim of abuse, as well as the failures of the defenses, and the transgenerational trauma in the family of this victim of abuse, the secrets and unconscious defense processes present in the family, which end up allowing the individual to expose himself to new situations of risk and abusive relationships, as a way of further elaboration of a family trauma.


I will also address the pathology of Martha, the stalker of Donny, and the other relationships that intertwine during the plot. The psychic wounds of each character intertwine, forming a network of relationships that denounce individual and social pathologies that go unnoticed in several of our social situations.


Synopsis


Donny aspires to be a comedian while working in a pub to keep up, where she meets a lonely woman named Martha (Jessica Faye Gunning). After offering her a free drink (she has no money, despite presenting herself as a successful lawyer, full of important clients) Martha becomes an obsessive stalker. Despite discovering that Martha is a stalker with several stints with the police, Donny experiences with ambivalence the conflict between being empathetic towards her, or reporting her to the police. By reporting it, it reconnects to the traumas of past sexual abuse.


There is no free tea!


A simple kindness, that of offering a free tea to a disturbed customer, starts a long stalker between Martha and Donny. Martha sits at the counter of a bar, where everything that is consumed must be paid for, and takes her place without embarrassment. Donny, not knowing how to deal with a client who claims to have no money for anything, is left unresponsive, and ends up offering him a tea.


Martha remains very comfortable, reporting on how she is a successful lawyer, with important and influential clients, even if her personal appearance does not match her successful professional life account. At the same time, Martha praises Donny, she calls her Baby Rena, as an affectionate nickname, forcing a situation of intimacy between them.


Martha seems to have felt seen by him, even though the tea was a formal kindness, and reciprocates the attention she deems appropriate, sending lots of emails and showing up in the pub all the time. But the main point is that she sees Donny, she sees the open wound that attunes to hers, by stating that he has already been injured, the traumatic wounds of both mirror each other and create a pathological connection between them.

Donny's only prudent behavior toward Martha was to offer her her email, rather than her phone number, as she had requested.


Donny is an individual traumatized by sexual abuse, and feels lonely, embarrassed, and realizing that she recognizes her wound, she feels connected to her, as if they share a secret, not knowing exactly what the secret is.

Highly traumatized, psychotic, or borderline patients can be very sensitive to detecting the pains of others, as if they had an identification radar through wounds and traumas, as much as psychopaths and narcissists usually have.


There is an almost instantaneous identification, but via wounds, not by healthy affinities.


Martha lies compulsively about her successes, but this does not sufficiently awaken the alertness of Donny, who ends up being entertained by the constant visits that Martha makes to the pub, always without money, always receiving something in courtesy. Even when Martha reacts violently when Donny says they're not in a relationship, taking her hand out of hers in a cafe, he manages to get away properly, as Martha continues her seduction game by going to his comedy show, laughing and pulling the audience's laughter.


Every comedian knows that you need to have at least someone who laughs effusively at the beginning of the show, because it warms the audience that gets infected by the loose laughter. We can't forget that Donny's performances didn't used to please the audience, but Martha fuels his desire to be funny, laughing at everything he does, strengthening his self-esteem. In addition, she seems to know how to deal well with the issue of emotional contagion. In this way, it neutralizes the discomfort it causes to him, providing him with some secondary gains through his presence.


Donny makes another serious mistake, denying the signs that Martha is not who she says she is, even despite all the inconsistencies concerning her personal appearance, her old phone, or the vocabulary full of spelling and concordant errors, incompatible with the condition of a successful lawyer. He follows her (here he behaves like a stalker), and finds that she lives in a social apartment, provided by the government, whose place is a chaos, messy, full of dirty dishes, etc., a sign of more serious psychic problems. Martha interprets this behavior as an interest in her, since she herself, an experienced stalker, justifies her persecutory behavior as an affective interest.


Donny makes an even more serious mistake in accepting Martha's friend request on Facebook. He does research on Martha, and easily discovers that she is a repeat-inciding stalker, with stints by the police, and yet brings her into his life. This gives Martha access to her old photos, and goes on to bother Keeley, her ex-girlfriend. Although the relationship has ended, he still lives in the house of the former mother-in-law, Liz.


Liz has lost a son about the same age as him, and Donny becomes a kind of substitute, a solace for this bereaved mother, and a companion after Keeley goes to university. It takes the place of the empty nest, but not because it wants to help Liz cope with her loss, but because, in my view, it has a tendency to go beyond the limits of a relationship, after all, how many people do we know who live with their mother-in-law, after the end of a relationship not so long?


Donny's shadow begins to appear more clearly, justifying his fascination with Martha, after all, why not offer a complimentary tea in the pub where he works, since he himself lives in special conditions, as he himself says, paying a rent with a special value for Liz. Wouldn't that also be a form of abuse?


The person who allows an invasive person like Martha into his or her life, paves the way for the stalker to invade and disturb the lives of the people he or she relates to,[5] and it's not long before Martha assaults Keeley by throwing soda at her (but it could have been an acid or something...) and pulls out a wad of Teri's hair after a fit of jealousy and anger.


Martha's kind and smiling persona easily falls apart when she feels upset,[6] or when her good-natured persona is confronted, such as when Donny denounces her as her stalker on the show, further reporting that she had already pursued the blind daughter of another man she stalkeed.


This time, he is the one who suffers the aggression, having several cuts on his face after she throws a glass in his face.

Martha represents the ambivalence that leaves Donny without action, she makes him feel special, for all the attention and praise she devotes to him, but occupies his whole life, because how to think or do something else, when her stalker sends him 41,071 emails, 350 hours of voice messages, 46 Facebook messages and 106 pages of letters.


The difference between abusive attention and suffocation is in the balance, or in the lack of it... how to ignore someone who dedicates life to filling your attention, and realize that this is not love, it is control?


The Shadow of Empathy




Empathy is a behavior that tends to be valued in our society, but it is a behavior that deserves attention. Narcissistic individuals, psychopaths of different levels, and even ordinary neuroses feed on the empathy of others. Empathy makes individuals predictable, and often prevents us from putting healthy boundaries on relationships.


Offering a free drink to a pub customer can be a healthy empathetic behavior, but making it an everyday habit can fuel neurotic and abusive behaviors in general.


When the exception becomes the rule, and we find ourselves in the condition of having no more choice but to meet the demands and expectations that the other has about us, we become hostages not only of this other, but of our own behavior that does not adapt adequately to reality.


Although Donny did not have his psychic wounds mirrored in Martha, his overly empathetic behavior disregarded Martha's shadow, which was not so difficult to recognize.


The shadow of empathy and charity[7] fuel pathological behaviors that can become dangerous, as in the case of stalker in question. Not every individual who abuses our empathy is a stalker, narcissist or erotomaniac, but they may be an individual who seeks a symbiosis or a range of care that we may not be willing to offer, at least not in the long run.


The Shadow of Humor


Donny's situation escalates further when he reports Martha's harassment to his pub colleagues in an attempt to convince them to ban her from there, but they don't take her harassment seriously, they play with the situation in a mocking manner, until one of them picks up Donny's phone and responds to her messages, asking for anal sex.


The explicit invitation to sex feeds the fantasies of Martha, who now has concrete reasons to believe that he reciprocates her feelings, increasing persecution.

Harassment has been confused with interest and assertiveness over the years, and many individuals have difficulty perceiving the boundaries between harassment and riot interest.


Over centuries women have been trained to make themselves difficult, and men have been trained to be insistent. On the other hand, a man who arouses the massive interest of a woman should have sex with her, because he would not be a male if he let this opportunity pass.


Thus, both men and women were encouraged culturally to think that inconvenient harassment was synonymous with love, disrespecting their own limits, perceptions and even discomforts.


How many crimes of passion could be prevented if threats or invasive and abusive behavior were taken seriously?


Although Eritomania is widely discussed in treatment groups called "Women Who Love Too Much," we should be aware that the syndrome is not a rarity among men, and that proper diagnosis and management are essential, given that this disorder has a high potential for violence when delusional love is not reciprocated. Passion crimes are quite common, unfortunately, but before the crime actually occurs, often the lives of individuals persecuted in this way have been hampered in unimaginable ways.



We must consider that some behaviors of the characters, although quite inappropriate, receive some social support, although they may be unconscious and the characters act kind of on autopilot.


Martha was no ordinary woman showing interest in Donny, she was a visibly disturbed woman who was taking away her quiet, advancing all signs of disrespect for her privacy, but her colleagues found it funny.


Donny was an individual who aspired to a career as a comedian, but without any success, and it's not hard to understand why when we watch his performances.

In a way, Donny reminds me of the Joker, two aspiring comedians with no talent for comedy, whose great act was to expose the tragedy of their personal lives in public. Donny reporting the sexual abuse and his stalker, and the Joker the moral abuse and ridicule suffered live, all in the name of the audience. Two characters who wanted, above all and from all, to be seen and heard.


Comedy implies a sense of humor, including the ability to laugh at oneself. A sense of humor requires lightness, intelligence, quickness of reasoning and a great capacity for observation, as well as a keen critical sense, after all, comedy has always been a great ally of political and social criticism. However, the two were overly naive, trained to see what they were told should be seen, believing more in the narratives of others than in their own perception of reality.


Overly abused or humiliated people can have quite aggressive reactions, after all, going to a comedy show, where people want to have fun, and hearing a report of abuse, is characterized by extremely aggressive behavior. Having the courage to face your traumas is one thing, rubbing it all in the face of unsuspecting people, it's another!


Baby Rena


The nickname supposedly affection that Martha gives him is quite ambiguous. If on the one hand a reindeer baby awakens affection and care, on the other hand it is a mammal as vulnerable and dependent on care and protection as any other. The reindeer baby does not yet have its horns developed, which develop during adolescence, achieving the appropriate characteristics for protection/aggression only in adulthood, that is, after sexual maturity. At the end of the series, Martha explains that the reindeer baby she refers to is a little stuffed animal from her childhood, not the actual puppy. This little stuffed animal was his only comfort during the quarrels and disharmonies of his family, to which he clung to comfort himself.


A stuffed animal is an inanimate object with which one can do anything, carry around, and treat with affection or aggression at will. An object without will, which exists to satisfy the needs of the one who has it, in which one can discharge the needs of affection as much as the frustrations and outbursts of anger, and this is how Martha treats Donny, as an object, who has no right to turn away from her, or to be available when and how she wants.

Donny is the toy she doesn't give or lend to anyone else, she's his absolute lady, and that's how she behaves.


Teri


Donny meets Teri on a dating site, where she searches for a trans partner. Teri is a trans woman, a therapist, who faces Donny's ambivalence about her. He must use cocaine to keep her, but he can't take over the relationship publicly, and abandons her alone on the subway after an attempt by her to kiss on the train.


Donny behaves like Martha, as she lies to Teri about her identity, says she works in construction, and lies even more than Martha, omitting her real name.


Once again, we see Donny living in someone else's house in an abusive way. He spends weeks at Teri's house hiding from Martha, not because of his relationship with Teri. He doesn't respect her feelings at any time.


Donny has doubts about her sexuality, which may have been caused by the abuse, or have unconsciously facilitated her vulnerability. Teri seeks a mature relationship, and even attentive to Donny's ambivalence towards Martha, she is patient with him, as perhaps this is one of the many obstacles a trans woman faces when trying to find a loving relationship.


Teri seems to me to be the most mature and balanced character in the series, as she is the only one whose life moves forward.


In the end, Donny stalkeia Teri, standing in front of her house, noting that she's in another relationship. This is the second time Donny has acted as a stalker himself. Perhaps that is why he is so ambivalent about Martha's behavior.


Darrien - The Abuse


Recounting the persecution suffered by Martha at the police station, Donny recalls the abuse suffered by Darrien.


The story of this abuse is well known, as are some of its methods of seduction. Darrien promises to help Donny in his comedy career, advises him to move to London, which he does, meets Keeley and goes to live with her in Liz's house, so Darrien comes to him to talk about a pilot project for a comedy show.


These encounters are drug-fueled, including with what became popularly known in Brazil as good night cinderella, because this drug leaves its users unconscious, passive, incapable of reaction of any kind. The difference is that usually victims are doped without knowledge, or by force, but Donny passively accepts the use of several drugs simultaneously.


It is observed that Donny submits to Darry's wishes even while he was still conscious. The siren song of what would be a working meeting does not hold up when people are in a hallucinogenic state, but it needs to please Donny as it has an interest in the help of the influential person he is.


Donny's ambition, coupled with an overconfidence in Darrien, leaves him in an extreme situation of vulnerability.

The abuse begins slowly, as if Darrien were testing Donny with foreplay or sexual activities without the penetration itself, until the final rape happens in a way that Donny can no longer deny what was actually happening.


Many abused people only perceive abuse when there is penetration, denoting that sex education sins by not considering foreplay, oral sex, mutual masturbation, or observation of sexual acts as sexual activity. Considering that sex only exists in the case of penetration facilitates the defense claim of several rapists, including that of a famous soccer player.


One of the difficulties that abuse victims encounter when reporting frequent abuse is why they return to the situation or approach the abuser.


Some victims cannot move away because they are children, because they are under the care of the abuser, because they have no way to escape, etc., others return to seek the rescue of the wound, to be seen and respected as human beings, and not as objects, a way of reparation to the suffering experienced.


The abuser is not in a relationship of otherness, where there is an other-self, but in an object-relation, where there is an object-self.


Being placed in the position of an object, not being seen as a human being, is already traumatizing on several levels, in various types of relationships.


The objectified individual seeks to have his humanity returned by the one who usurped it. When the individual returns to the situation of risk, he often returns in search of reparation, not for the continuation of the abuse, but the abuser understands that he is wanting more...


After the success and outburst that became public, Donny returns to look for Darrien. He meets the prospect of the show that Darrien was supposed to produce, and Darrien proposes that they work together, but claims that this time it would be different, saying that he watched the video of Donny.


Does Darrien decide to help Donny in his career in fear of a formal complaint?


Donny accepts the proposal, but has a panic attack upon leaving. Confronting the abuser reactivates the trauma.


Donny and the Father - Transgenerational Trauma


Martha continues the persecutions of Donny, this time harassing his parents, saying that he had suffered a serious accident and was in the hospital, leaving them in a panic, also spreads the news that Donny's father is a pedophile, harming him even in his work. After the threat that she would tell his parents that he had been abused, and that he was uncertain about his sexuality, he decided to go to Scotland to tell his parents everything before her.


When talking about his shame of feeling less of a man because of the abuse, his father asks him if he would think that of him, and Donny understands that his father had been abused during the Catholic education he had received, and the two embrace.


Abuses can lead to transgenerational traumas, which manifest either by over-care for children, or difficulty expressing affection in a physical way, such as kissing and hugging.


People who have suffered abuse often oscillate between excessive physical contact, disregarding the limits of others, or abstaining from physical contact, in the unconscious attempt to teach their children that physical contact is not safe, because it cannot clearly identify the intentions of the touch, whether sexual or innocent forms of affection, or the impossibility of controlling the sexual advances of the other, who may claim to feel provoked.


Some examples from the clinic show a mother, married for the second time, who had been abused as a child not allowing her son to walk shirtlessly inside the house, or that he watched TV with the family, leaving him a recluse in the room. The current husband, an affectionate man with no tendency to abuse or pedophilia, was seen as a threat, not because there was danger, but because unconsciously, she associated her second marriage with the mother's second marriage, which placed her in a situation of vulnerability, defenseless to the abuse of her stepfather.


In another case, the mother who had been abused for years was unable to spontaneously manifest affection through touching her children. This patient had several avoidance behaviors in intimate affective relationships, which originated from the defense mechanisms of the mother, which influenced all children, in varying degrees and ways.


One boy was ambivalent and too aggressive in the workplace, oscillating between behaviors in which he demonstrated wanting to be part of the team, or being an outsider. He had been abused as a child by the group of boys he wanted to belong to, and the abuse was a negotiation to be part of the group. It was only during the process that he realized that he had been abused, that is, convinced to let himself be abused, when, in fact, he had no choice. The reality was different from the narrative he created to protect himself from the trauma.


Erotomania - wounds of love and criminality


Martha's character fits the diagnosis of Clèrambault syndrome,[9][10] better known as Erotomania.


Erotomania is the delusional belief that someone is in love with you. It is characterized by the misinterpretation of unrealistic signs of affection, which would be reciprocated by its object of interest. The love interest usually manifests itself by a stranger, a celebrity or a person of higher social status, or as we observe in the series, by someone who devotes some attention to it. Such individuals can resort to stalking and harassment of the individual victim of their delusion, which can lead to legal implications, strained relationships and even criminality.


Such individuals have the delusional conviction of being loved by someone, and tend to interpret any behavior of the other as a sign of vested interest or love.

Such behavior is described as delusional disorder syndrome, inserted in ICD-10 as a subtype Persistent Delusional Disorder and in DSM-IV, as a subtype Erotomania.


Although passion is an intense desire for a love interest, erotomania is the delusional belief that a person reciprocates affection. Someone with erotomaniac delusions believes that his object of affection, often a celebrity or other status person, has romantic feelings for him, even if he has never met him.


In Martha's case, her interest in Donny is sparked by the fact that he treats her empathically. He pays attention to you, ignores your lies and welcomes you. The minimum signs needed are present for your delusions to begin. She believes he made the initial advances, confusing kindness, or pity, with love interest.


Repetition neurosis[11] and the theory of complexes[12]



According to Freud, neurotic behaviors repeat themselves, as for Jung, complexes are reactivated until they are elaborated, that is, until the energy they carry can be released for other psychic activities.


Martha's behavior is repetitive, she makes the same mistakes, she has been arrested and abandoned, but she continues to act in the same way, expecting new results. Donny repeats relationships that bring him the comfort and welcome of a child, a safe and stable home, such as Liz's or Teri's house. Remember how unhappy and disconcerted he was while living with young people who took care of him or the house?


Liz sees her own daughter in danger and being invaded by a stalker, and yet receives Donny back, as if it were the symbolic return of her dead son.

Donny returns to look for Darrien, a figure of an older man who could have helped him boost his career, but who does not identify himself as a father figure and protector, but as a predator, perhaps a repetition of so many situations that his father passed with the priests of the school he attended. However, being face to face with his abuser did not bring him back to a comfort zone, as she never really existed with Darrien, only in her fantasy of having found a kind of "fashionable godfather" who magically made her career take off.


But the identification with Martha is the strongest of all, and it becomes even clearer in the final scene. As he leaves Darrien's house, wearing the yellow coat of Liz's son, he stops at a pub, asks for a drink, but chases after he has forgotten his wallet, because that was not his coat.


Where is your true identity? Symbolically speaking, our clothes and documents make up not just our persona, but our individual identity. He is not in possession of either of the two symbolic components that build his identity.


Seeing him bewildered, the bartender does the same as he had done with Martha, offers him a free drink, and he looks at the bartender with the same enraptured look that Martha looked at him the first time.


We cannot forget that he had returned to live with his former mother-in-law, and was wearing the coat of Liz's son who had died, which she insisted he wear. He seems to have given in to the fantasy of taking the place of Liz's lost son, coming under his protection.


We do not have enough references to Donny's family history, apart from the secret revealed of the abuse suffered by his father, whose wound was still present in the couple. The only reference we have about Martha was the memory that Baby Rena, her stuffed animal, was the only comfort she had in the toxic family environment in which she lived during her childhood.


Donny tries to lean on images of strong, protective women like Liz, her former mother-in-law, and Teri.


Liz would represent the attempt to integrate positive aspects of the Great Mother, but her shadow tries to make him replace the dead son by becoming a devouring mother.


Teri, a trans woman, perhaps represented the union of male and female forces in a single individual, but also evoked her ambiguity towards her sexuality.


Teri tries to take the place of the creative anima, which calls him to a relationship of otherness in which differences and difficulties are faced, respected and elaborated, she was the voice of common sense, warning him about the dangers of the relationship with Martha, encouraging him to complain to the police and claiming that he had a mature behavior towards her.


Keeley and Teri respected each other by walking away from Donny when they realized that the relationship was not good for them, although Keeley could not prevent his connection with his own mother.


However, Martha was the protagonist in Donny's life. So important that he catalog your messages, and listen to them as if they were motivational messages, even if they were not the truest ones about you.


She was forced to stop pursuing him, but he did not abandon the secondary gains he obtained from her persecution. He chose to stay with Martha through the messages stored as precious treasures, while again enjoying Liz's protection, complementing her uncrafted grief, replacing the presence of her lost son, symbolized by the yellow coat.


This yellow brand-text coat, impossible to be noticed, summarizes Donny's symbolic psychic situation, the rest is complement.


He understood that Liz used her presence to fill the absence and suffering caused by the loss of her son; he understood that Martha's behavior was delusional, but he needed them, as the madman's brother needed the eggs...[14]


What eggs do we need?


[2] Stalker is a word that derives from English, which means persecutor. A stalker is someone who obsessively follows another person, watching their routines, being this persistent persecution and can result in attacks or aggressions; the term derives to cyberstalking, that is, individuals who practice stalking through social networks, is a form of violence in which one person completely invades the privacy of another, either personally or through the Internet or from social networks.

[3] The question of secrecy and its implications is developed more deeply in my book The Truth in the Analytical Process, Editora Initia Via, 2019.

[4] To learn more about psychic contagion, borderline patients and encounters through psychopathology, see the film's analysis Why don't you cry?

[5] Abusive relationships are addressed in the analysis of the film The Invisible Man, also on the website.

[6] the sudden change in behavior implies that a Complex has been activated, to learn more, read the text Do you have short temper? Also on the site.

[7] I discuss this question in more depth in the following article on this same site: Of good intentions hell is full - The shadow of kindness and charity https://www.solangeschneider.com/de-boas-intencoes-o-inferno-esta-ch

[8] The analysis of the movie Joker can be read on my website: https://www.solangeschneider.com/post/coringa-a-analise-de-uma-sociedade-doente

[11] According to Freud, the patient repeats rather than recalls, repeats everything that has ever advanced from the sources of the repressed (shadow, for Jung) to his manifest personality - his inhibitions, his useless attitudes and his pathological traits of character.

[12] I discuss the theory of complexes in my text: Do you have short temper? Understand this through Jung's Theory of Complexes

[13] I discuss more deeply the question of identity and persona in my book Individual and Cultural Complex - Between the fascination and danger in the search for otherness in intercultural relations, in several chapters, starting on pages 68,72, 147, 155.

[14] This is a reference to a classic joke between psychiatrists and psychotherapists - An individual goes to the psychiatrist and says, "Doctor, my brother [and crazy, he thinks [and a chicken. And the doctor says, why don't you internal it, to be treated? To which the individual replies, "Because I need the eggs."


Bibliographical references.

1 FREUD, S. Remember, repeat and elaborate. Complete Works. ed. [S.l.]: [s.n.], 1914.

Freud, S. The dynamics of transference. Complete works. ed. [S.l.]: [s.n.], 1912.

3 JUNG, C. G. The Practice of Psychotherapy. New Jersey: Princeton University Press, v. XIV, 1966.

Jung, C. G. The Nature of the Psyche. Petropolis: Voices, 1984.

SCHNEIDER, S. B. Truth in the Analytical Process. 9788595470828. ed. Belo Horizonte: Initia Via, 2019. 139 p.

SCHNEIDER, S. B. Individual and Cultural Complex - Between fascination and danger in the search for otherness in intercultural relationships. Curitiba: Appris, 2023.

SCHNEIDER, S. B. The Feminine and the Male - through culture, religion, mythology and fairy tales. Curitiba, PR: Appris, 2021.

Jung, C. G. Experimental Studies. Petrópolis: Voi







A história é muito complexa, cheia de nuances impactantes e significativas para a compreensão do enredo, tecendo uma trama de significados simbólicos relativos ao trauma do abuso sexual, e ao trauma posteriormente causado ao ser vítima de uma stalker, bem como as consequências de permitir que um stalker se aproxime de nossas vidas, e daqueles com quem nos relacionamos.  


 Abordarei as defesas psicológicas pertinentes a um indivíduo vítima de abuso, tanto quanto as falhas das defesas, e o trauma transgeracional na família dessa vítima de abuso, os segredos e processos de defesa inconscientes presentes na família, que acabam por permitir que o indivíduo se exponha a novas situações de risco e a relações abusivas, como forma de elaboração posterior de um trauma familiar.


Também abordarei a patologia de Martha, a stalker de Donny, e os demais relacionamentos que se entremeiam durante a trama. As feridas psíquicas de cada personagem se entrelaçam, formando uma rede de relacionamentos que denunciam patologias individuais e sociais que passam desapercebidas em várias de nossas situações sociais.


 


Sinopse


 


Donny aspira a ser comediante, enquanto trabalha num pub para se manter, onde conhece uma mulher solitária, chamada Martha (Jessica Faye Gunning). Após lhe oferecer uma bebida grátis (ela não tem nenhum dinheiro, apesar de se apresentar como uma advogada bem-sucedida, cheia de clientes importantes) Martha se transforma numa perseguidora obsessiva. Apesar de descobrir que Martha é uma stalker com diversas passagens pela polícia, Donny vivencia com ambivalência o conflito entre ser empático em relação a ela, ou denunciá-la à polícia. Ao denunciá-la, se reconecta aos traumas do abuso sexual sofrido no passado. 


 


Não existe chá grátis!


Uma simples gentileza, a de oferecer um chá grátis a uma cliente perturbada, inicia um longo processo de stalker entre Martha e Donny. Martha senta-se ao balcão de um bar, onde tudo o que se consome deve ser pago, e ocupa seu lugar sem constrangimento. Donny, sem saber como lidar com uma cliente que afirma não ter dinheiro para nada, fica sem reação, e acaba por lhe oferecer um chá.


Martha continua muito à vontade, relatando como é uma advogada bem-sucedida, com clientes importantes e influentes, mesmo que sua aparência pessoal não condiz com seu relato de vida profissional de sucesso. Ao mesmo tempo, Martha elogia Donny, passa a lhe chamar de Bebê Rena, como um apelido carinhoso, forçando uma situação de intimidade entre eles.


Martha parece ter se sentido vista por ele, mesmo que o chá tenha sido uma gentileza formal, e retribui a atenção recebida da forma que ela considera adequada, enviando muitos e-mails e aparecendo no pub o tempo todo. Mas o ponto principal é que ela vê Donny, ela vê a ferida aberta que sintoniza com a dela, ao afirmar que ele já foi ferido, as feridas traumáticas de ambos se espelham e criam uma conexão patológica entre eles.


O único comportamento prudente de Donny em relação a Martha foi o de lhe oferecer seu e-mail, ao invés do seu número de telefone, como ela havia pedido.


Donny é um indivíduo traumatizado por abuso sexual, e se sente só, envergonhado, e ao perceber que ela reconhece sua ferida, sente-se conectado com ela, como se compartilhassem um segredo, sem saber exatamente de qual segredo se trata.[3]


Pacientes altamente traumatizados, psicóticos, ou borderline[4], podem ser muito sensíveis a detectar as dores dos outros, como se tivessem um radar de identificação através das feridas e traumas, tanto quanto psicopatas e narcisistas costumam ter. Há uma identificação quase que instantânea, porém via feridas, não por afinidades saudáveis.


Martha mente compulsivamente sobre seus sucessos, mas isso não desperta suficientemente o estado de alerta de Donny, que acaba por se deixar entreter pelas visitas constantes que Martha faz ao pub, sempre sem dinheiro, sempre recebendo algo em cortesia. Mesmo quando Martha reage violentamente quando Donny diz que eles não estão numa relação, retirando sua mão da dela num café, ele consegue se afastar devidamente, pois Martha continua seu jogo de sedução indo ao show de comedia dele, dando muitas risadas e puxando o riso do público.


Todo comediante sabe que é preciso ter pelo menos alguém que ria efusivamente no início do show, pois isto aquece o público que se contagia pelo riso solto. Não podemos esquecer que as apresentações de Donny não costumavam agradar ao público, mas Martha alimenta seu desejo de ser engraçado, rindo de tudo que ele faz, fortalecendo sua autoestima. Além disso, ela parece saber lidar bem com a questão do contágio emocional.  Dessa forma, ela vai neutralizando o desconforto que causa a ele, lhe proporcionando alguns ganhos secundários através da sua presença.


Donny comete outro erro grave, negando os sinais de que Martha não é quem diz que é, mesmo apesar de todas as incoerências relativas à sua aparência pessoal, seu telefone velho, ou pelo vocabulário cheio de erros ortográficos e de concordância, incompatíveis com a condição de uma advogada bem-sucedida. Ele a segue (aqui ele se comporta como um stalker), e constata que ela vive num apartamento social, fornecido pelo governo, cujo lugar é um caos, bagunçado, cheio de louça suja, etc, indício de problemas psíquicos mais sérios. Martha interpreta esse comportamento como interesse por ela, já que ela mesma, uma stalker experiente, justifica seu comportamento persecutório como interesse afetivo.


Donny comete um erro ainda mais grave ao aceitar a solicitação de amizade que Martha lhe faz no Facebook. Ele faz uma pesquisa sobre Martha, e descobre facilmente que ela é uma stalker reincidente, com passagens pela polícia, e ainda assim, a traz para dentro de sua vida. Isso dá a Martha acesso a suas fotos antigas, e passa a incomodar Keeley, sua ex-namorada. Apesar do namoro ter terminado, ele continua morando na casa da ex-sogra, Liz.


Liz perdeu um filho mais ou menos da mesma idade dele, e Donny passa a ser um tipo de substituto, um consolo para essa mãe enlutada, e uma companhia depois que Keeley vai para a universidade. Ele ocupa o lugar do ninho vazio, mas não porque quer ajudar Liz a lidar com sua perda, mas porque, a meu ver, tem uma tendencia a ultrapassar os limites de uma relação, afinal, quantas pessoas conhecemos que moram com a sogra, após o final de um relacionamento nem tão longo assim?


A sombra de Donny começa a aparecer com mais clareza, justificando seu fascínio por Martha, afinal, porque não oferecer um chá de cortesia no pub em que trabalha, já que ele mesmo mora em condições especiais, como ele mesmo diz, pagando um aluguel com um valor especial para Liz. Não seria essa também uma forma de abuso?


A pessoa que permite que alguém invasivo como Martha entre em sua vida, abre caminho para que o stalker invada e perturbe a vida das pessoas com as quais se relaciona,[5] e não tarda para que Martha agrida Keeley, jogando refrigerante nela (mas poderia ter sido um ácido ou coisa do gênero...) e arranca um chumaço de cabelo de Teri, após um acesso de ciúmes e de raiva.


A persona gentil e sorridente de Martha facilmente se desfaz quando se sente contrariada,[6] ou quando sua persona boazinha é confrontada, como quando Donny a denúncia como sua stalker no show, relatando ainda que ela já havia perseguido a filha cega de um outro homem que ela stalkeava.  Dessa vez, é ele que sofre a agressão, tendo vários cortes no rosto depois que ela lhe atira um copo na cara.


Martha representa a ambivalência que deixa Donny sem ação, ela o faz se sentir especial, por toda a atenção e elogios que dedica a ele, mas ocupa toda a sua vida, pois como pensar ou fazer outra coisa, quando seu stalker lhe envia 41.071 e-mails, 350 horas de mensagens de voz, 46 mensagens no Facebook e 106 páginas de cartas. A diferença entre atenção e sufocamento abusivo está no equilíbrio, ou na falta dele... como ignorar alguém que dedica a vida a preencher a sua de atenção, e perceber que isso não é amor, é controle?


 


A sombra da empatia


A empatia é um comportamento que tende a ser valorizado em nossa sociedade, porém é um comportamento que merece atenção. Indivíduos narcisistas, psicopatas de diferentes níveis, e mesmo neuroses corriqueiras se alimentam da empatia alheia. A empatia torna os indivíduos previsíveis, e muitas vezes nos impede de colocar limites saudáveis nas relações.


Oferecer uma bebida grátis para um cliente do pub pode ser um comportamento empático saudável, mas tornar isso um hábito cotidiano pode alimentar comportamentos neuróticos e abusivos de um modo geral. 


Quando a exceção vira regra, e nos vemos na condição de não ter mais escolha, senão a de atender as demandas e expectativas que o outro tem a nosso respeito, viramos reféns não apenas desse outro, mas de nosso próprio comportamento que não se adapta adequadamente à realidade.


Ainda que Donny não tivesse suas feridas psíquicas espelhadas em Martha, seu comportamento excessivamente empático desconsiderou a sombra de Martha, que não era assim tão difícil de ser reconhecida.


A sombra da empatia e da caridade[7] alimentam comportamentos patológicos que podem se tornar perigosos, como no caso de stalker em questão. Nem todo individuo que abusa de nossa empatia é um stalker, narcisista ou Erotomaníaco, mas pode ser um individuo que busca uma simbiose ou uma gama de cuidados que podemos não estar dispostos a oferecer, pelo menos não a longo prazo.   


 


A sombra do humor


A situação de Donny se agrava ainda mais quando ele relata o assédio de Martha para seus colegas do pub, na tentativa de convencê-los a bani-la de lá, porém eles não levam o assédio dela a sério, brincam com a situação de maneira debochada, até que um deles pega o telefone de Donny e responde as mensagens dela, pedindo sexo anal. O convite explicito para o sexo alimenta as fantasias de Martha, que agora tem motivos concretos para acreditar que ele retribui seus sentimentos, incrementando a perseguição.


O assédio tem sido confundido com interesse e assertividade ao longo dos anos, e muitos indivíduos têm dificuldade em perceber os limites entre assédio e interesse contumaz.


Ao longo de séculos mulheres foram treinadas a se fazerem de difíceis, e homens foram treinados a serem insistentes. Por outro lado, um homem que desperta o interesse maciço de uma mulher, deveria fazer sexo com ela, pois não seria macho se deixasse essa oportunidade passar.


Dessa forma, tanto homens quanto mulheres foram incentivados culturalmente a pensar que o assédio inconveniente era sinônimo de amor, desrespeitando seus próprios limites, percepções e até mesmo desconfortos.


Quantos crimes passionais poderiam ser evitados, caso as ameaças ou comportamentos invasivos e abusivos fossem levados a sério?


Embora a Eritomania seja bastante comentada nos grupos de tratamento chamados “Mulheres que Amam Demais”, devemos estar cientes de que a síndrome não é uma raridade entre os homens, e que o diagnóstico e o manejo adequados são essenciais, tendo em vista que esse transtorno tem um alto potencial de violência quando o amor delirante não é correspondido. Os crimes passionais são bastante comuns, infelizmente, mas antes do crime de fato ocorrer, muitas vezes a vida dos indivíduos perseguidos dessa maneira já foi tolhida de maneiras inimagináveis.


 


Devemos considerar que alguns comportamentos dos personagens, embora bastante inadequados, recebem algum respaldo social, ainda que possam ser inconscientes e os personagens agirem meio que no piloto automático.


 Martha não era uma mulher qualquer demonstrando interesse por Donny, era uma mulher visivelmente perturbada, que estava tirando seu sossego, avançando todos os sinais de desrespeito à sua privacidade, mas seus colegas acharam aquilo engraçado.


Donny era um indivíduo aspirava uma carreira de comediante, porém, sem nenhum sucesso, e não é difícil entender porque quando assistimos suas apresentações.  


De certa forma, Donny me faz lembrar do Coringa[8], dois aspirantes a comediantes, sem talento para a comedia, cujo grande ato foi exporem a tragedia de suas vidas pessoais em público. Donny relatando o abuso sexual e sua stalker, e o Coringa o abuso moral e a ridicularização sofrida ao vivo, tudo em nome da audiência. Dois personagens que queriam, acima de tudo e de todos, serem vistos e ouvidos.


A comedia implica em senso de humor, inclusive a capacidade de rir de si mesmo. Senso de humor requer leveza, inteligência, rapidez de raciocínio e uma grande capacidade de observação, além de um senso crítico apurado, afinal, a comedia sempre foi uma grande aliada da crítica política e social. No entanto, os dois eram excessivamente ingênuos, treinados a ver aquilo que lhe designavam que deveria estar sendo visto, acreditando mais nas narrativas alheias do que em sua própria percepção da realidade.


Pessoas excessivamente abusadas ou humilhadas, podem ter reações bastante agressivas, afinal, ir a um show de comedia, onde as pessoas querem se divertir, e ouvir um relato de abusos, se caracteriza por um comportamento extremamente agressivo.  Ter coragem de enfrentar seus traumas é uma coisa, esfregar isso tudo na cara de pessoas desavisadas, é outra!


 


Bebê Rena


O apelido supostamente carinho que Martha lhe dá é bastante ambíguo. Se por um lado um bebê rena desperta carinho e cuidados, por outro lado é um mamífero tão vulnerável e dependente de cuidado e proteção quanto qualquer outro. O bebê rena ainda não tem seus chifres desenvolvidos, que se desenvolvem durante a adolescência, alcançando as características adequadas para proteção/agressão apenas na idade adulta, ou seja, após a maturidade sexual. Ao final da série, Martha explica que o bebê rena a que se refere é um animalzinho de pelúcia de sua infância, não ao filhote real. Esse animalzinho de pelúcia era seu único conforto durante as brigas e desarmonias de sua família, ao qual se apegava para se confortar.


Um animal de pelúcia é um objeto inanimado, com o qual se pode fazer qualquer coisa, carregar para todos os lados, e tratar com carinho ou agressividade ao seu bel prazer. Um objeto sem vontade, que existe para satisfazer as necessidades de quem o tenha, em que se pode descarregar as carências de afeto, tanto quanto as frustrações e arroubos de raiva, e é assim que Martha trata Donny, como um objeto, que não tem o direito de se afastar dela, ou de estar disponível quando e como ela quiser.


Donny é o brinquedo que ela não dá nem empresta para mais ninguém, ela é a senhora absoluta dele, e é assim que ela se comporta.


 


Teri


Donny conhece Teri num site de relacionamentos, onde busca por uma parceira trans. Teri é uma mulher trans, terapeuta, que enfrenta a ambivalência de Donny a seu respeito. Ele precisa usar cocaína para ficar com ela, mas não consegue assumir o relacionamento publicamente, e a abandona sozinha no metrô após uma tentativa dela de se beijarem no trem.  


Donny se comporta como Martha, pois mente para Teri sobre sua identidade, diz que trabalha em construção, e mente ainda mais do que Martha, omitindo seu verdadeiro nome.


Mais uma vez, vemos Donny vivendo na casa de outra pessoa de maneira abusiva. Ele passa semanas na casa de Teri se escondendo de Martha, não por causa do relacionamento com Teri. Ele não respeita os sentimentos dela em nenhum momento.


Donny tem dúvidas sobre sua sexualidade, que pode ter sido causada pelo abuso, ou ter inconscientemente, facilitado sua vulnerabilidade. Teri busca um relacionamento maduro, e mesmo atenta à ambivalência de Donny em relação a Martha, ela é paciente em relação a ele, pois talvez esse seja um dos muitos obstáculos que uma mulher trans enfrenta ao tentar encontrar uma relação amorosa.


Teri me parece ser o personagem mais maduro e equilibrado da série, pois é a única cuja vida segue adiante.


No final, Donny stalkeia Teri, ficando de tocaia em frente à casa dela, observando que ela está em outro relacionamento.  Essa é a segunda vez que Donny age ele mesmo como stalker.  Talvez por isso ele se mostra tão ambivalente em relação ao comportamento de Martha.


 


Darrien - O Abuso


Ao relatar a perseguição sofrida por Martha na delegacia, Donny se recorda do abuso sofrido por Darrien.


A estória desse abuso é bastante conhecida, assim como alguns dos seus métodos de sedução. Darrien promete ajudar Donny em sua carreira de comediante, o aconselha a se mudar para Londres, o que ele faz, conhece Keeley e vai morar com ela na casa de Liz, então Darrien lhe procura para falar de um projeto piloto para um show de comédia.


 Esses encontros são regados a drogas, inclusive com a que ficou popularmente conhecida no Brasil como boa noite cinderela, pois essa droga deixa seus usuários inconscientes, passivos, incapazes de reação de qualquer tipo. A diferença é que geralmente as vítimas são dopadas sem conhecimento, ou à força, mas Donny aceita passivamente o uso de várias drogas simultaneamente.


Observa-se que Donny se submete às vontades de Darry mesmo enquanto ainda estava consciente. O canto da sereia de que seria uma reunião de trabalho não se sustenta quando as pessoas estão em estado alucinógeno, mas ele precisa agradar Donny, pois tem interesse na ajuda da pessoa influente que ele é.


A ambição de Donny, unida a um excesso de confiança em Darrien, o deixam numa situação extrema de vulnerabilidade.


O abuso começa vagarosamente, como se Darrien estivesse testando Donny com preliminares ou atividades sexuais sem a penetração propriamente dita, até que o estupro final acontece de maneira que Donny não consegue mais negar o que estava de fato acontecendo.


Várias pessoas abusadas só percebem o abuso quando há penetração, denotando que a educação sexual peca por não considerar preliminares, sexo oral, masturbação mútua ou observação de atos sexuais como atividade sexual. Considerar que sexo só existe no caso de penetração facilita a alegação de defesa de vários estupradores, a de um famoso jogador de futebol, inclusive.


Uma das dificuldades que as vítimas de abuso encontram ao relatar abusos frequentes é o do porquê elas voltam à situação ou a se aproximar do abusador.


Algumas vítimas não podem se afastar por serem crianças, por estarem sob os cuidados do abusador, por não terem como fugir etc., outras voltam em busca do resgate da ferida, de serem vistas e respeitadas como seres humanos, e não como objetos, uma forma de reparação ao sofrimento vivido.


O abusador não está numa relação de alteridade, onde existe eu-outro, e sim numa relação objetal, onde existe eu-objeto.


Ser colocado na posição de objeto, não ser visto como ser humano, já é algo traumatizante em diversos níveis, em vários tipos de relacionamento.


O indivíduo objetificado busca ter a sua humanidade devolvida por aquele que a usurpou. Quando o indivíduo volta à situação de risco, muitas vezes volta em busca de reparação, não pela continuidade do abuso, mas o abusador entende que ele está querendo mais...


Após o sucesso e o desabafo que se tornou público, Donny volta a procurar Darrien. Ele reencontra o prospecto do show que Darrien supostamente iria produzir, e Darrien propõe que trabalhem juntos, mas afirma que dessa vez iria ser diferente, dizendo que assistiu ao vídeo de Donny.


Sera que Darrien resolve ajudar Donny em sua carreira com medo de uma denúncia formal?


Donny aceita a proposta, mas tem um ataque de pânico ao sair dali. Confrontar o abusador reativa o trauma.


 


Donny e o pai - Trauma transgeneracional


 


Martha continua as perseguições a Donny, desta vez assediando seus pais, dizendo que ele havia sofrido um grave acidente e estava no hospital, deixando-os em pânico, também espalha a notícia de que o pai de Donny é um pedófilo, o prejudicando inclusive em seu trabalho. Após a ameaça de que ela contaria a seus pais que ele sofreu o abuso, e de que ele estava incerto sobre sua sexualidade, ele decidiu ir para a Escócia contar tudo aos seus pais antes dela.


Ao falar sobre sua vergonha, de se sentir menos homem por causa do abuso, seu pai lhe pergunta se ele pensaria isso dele, e Donny entende que seu pai havia sido abusado durante a educação católica que havia recebido, e os dois se abraçam.


Abusos podem levar a traumas transgeracionais, que se manifestam ou pelo excesso de cuidado com as crianças, ou dificuldade de expressar afeto de maneira física, como beijos e abraços.


Pessoas que sofreram abuso frequentemente oscilam entre o excesso de contato físico, desrespeitando o limite dos outros, ou se abstendo de contato físico, na tentativa inconsciente de ensinar aos filhos que o contato físico não é seguro, pois não pode identificar claramente as intenções do toque, sejam sexuais ou formas inocentes de afeto, ou na impossibilidade de controlar os avanços sexuais do outro, que pode alegar se sentir provocado.


Alguns exemplos da clínica mostram uma mãe, casada pela segunda vez, que havia sido abusada na infância não permitir que seu filho andasse sem camisa dentro de casa, ou que ele assistisse tv junto com a família, deixando-o recluso no quarto.  O atual marido, um homem afetivo e sem tendencias ao abuso ou pedofilia, era visto como uma ameaça, não porque houvesse perigo, mas porque inconscientemente, ela associasse o seu segundo casamento com o segundo casamento da mãe, que a colocou em situação de vulnerabilidade, indefesa aos abusos do padrasto.


Em outro caso, a mãe que havia sido abusada durante anos, era incapaz de manifestar afeto espontaneamente através do toque a seus filhos. Essa paciente tinha vários comportamentos de evitação em relacionamentos afetivos íntimos, que se mostraram originários dos mecanismos de defesa da mãe, que influenciou todos os filhos, em graus e maneiras variadas.


Um rapaz era ambivalente e demasiado agressivo no ambiente de trabalho, oscilando entre comportamentos em que demonstrava querer fazer parte da equipe, ou ser um outsider. Ele havia sido abusado na infância pelo grupo de meninos ao qual ele gostaria de pertencer, e o abuso foi uma negociação para poder fazer parte do grupo. Foi apenas durante o processo que ele percebeu que havia sido abusado, ou seja, convencido a se deixar abusar, quando, na verdade, ele não havia tido escolha. A realidade era diferente da narrativa que ele criou para se proteger do trauma.


 


 Erotomania – feridas de amor e criminalidade


 


O personagem de Martha se enquadra no diagnóstico da síndrome De Clèrambault,[9][10] mais conhecida como Erotomania.


Erotomania é a crença delirante de que alguém está apaixonado por você. Caracteriza-se pela interpretação equivocada de sinais irrealistas de afeto, que estaria sendo retribuído pelo seu objeto de interesse. O interesse amoroso geralmente se manifesta por um estranho, uma celebridade ou uma pessoa de status social mais elevado, ou como observamos na série, por alguém que lhe dedica alguma atenção. Tais indivíduos podem recorrer à perseguição e ao assédio do indivíduo vítima de seu delírio, podendo levar a implicações legais, relacionamentos tensos e mesmo a criminalidade.  


Tais indivíduos tem a convicção delirante de estar sendo amados por alguém, e tendem a interpretar qualquer comportamento do outro como um sinal de interesse ou amor velado.


Tal comportamento é descrito como síndrome de transtorno delirante, inserida na CID-10 como subtipo Transtorno Delirante Persistente e no DSM-IV, como subtipo Erotomania.


Embora a paixão seja um desejo intenso por um interesse amoroso, a erotomania é a crença delirante de que uma pessoa retribui o afeto. Alguém com delírios erotomaniacos acredita que seu objeto de afeto, muitas vezes uma celebridade ou outra pessoa de status, tem sentimentos românticos por ele, mesmo que nunca o tenha conhecido.


No caso de Martha, seu interesse por Donny é despertado pelo fato de que ele a trata de maneira empática. Ele lhe dá atenção, ignora suas mentiras e a acolhe. Os mínimos sinais necessários estão presentes para que seus delírios comecem. Ela acredita que ele fez os avanços iniciais, confundindo gentileza, ou piedade, com interesse amoroso.


 


Neurose de repetição[11] e a teoria dos complexos[12]


Segundo Freud, os comportamentos neuróticos se repetem, assim como para Jung, os complexos são reativados até serem elaborados, ou seja, até que a energia que carregam possa ser liberada para outras atividades psíquicas.


O comportamento de Martha é repetitivo, comete os mesmos erros, já foi presa e abandonada, mas continua agindo da mesma maneira, esperando novos resultados. Donny repete relacionamentos que lhe tragam o conforto e o acolhimento de uma criança, um lar seguro e estável, como a casa de Liz ou de Teri. Lembram como ele estava infeliz e desconcertado enquanto vivia com jovens que não cuidavam nem dele, nem da casa?


Liz vê sua própria filha correndo perigo e sendo invadida por uma stalker, e ainda assim, recebe Donny de volta, como se fosse a volta simbólica do filho morto.  


Donny volta a procurar Darrien, uma figura de um homem mais velho que poderia ter lhe ajudado a alavancar a sua carreira, mas que não se identifica como uma figura paterna e protetora, mas sim como um predador, talvez uma repetição de tantas situações que seu pai tenha passado com os padres da escola que frequentou. No entanto, estar frente a frente com seu abusador não o trouxe de volta a uma zona de conforto, pois esta nunca existiu de fato com Darrien, apenas em sua fantasia de ter encontrado uma espécie de “fado padrinho” que magicamente fizesse sua carreira deslanchar.  


Mas a identificação com Martha é a mais forte de todas, e fica ainda mais clara na cena final. Ao sair da casa de Darrien, usando o casaco amarelo do filho de Liz, ele para num pub, pede uma bebida, mas persegue que esqueceu a carteira, pois aquele não era o seu casaco.


Onde está sua verdadeira identidade? [13]Simbolicamente falando, nossas roupas e documentos compõem não apenas a nossa persona, mas a nossa identidade individual. Ele não está em posse de nenhum dos dois componentes simbólicos construtores de sua identidade.


 Ao vê-lo desconcertado, o barman faz o mesmo que ele tinha feito com Martha, lhe oferece uma bebida grátis, e ele olha para o barman com o mesmo olhar embevecido que Martha olhou para ele da primeira vez.


Não podemos esquecer que ele havia voltado a morar com a ex-sogra, e estava usando o casaco do filho de Liz que havia morrido, o qual ela insistia para que ele usasse. Ele parece ter cedido à fantasia de ocupar o lugar do filho perdido de Liz, ficando sob sua proteção.


Não temos referencias suficientes sobre a história familiar de Donny, além do segredo revelado do abuso sofrido por seu pai, cuja ferida ainda estava presente no casal. A única referência que temos sobre Martha era a lembrança de que o Bebê Rena, seu bichinho de pelúcia era o único conforto que tinha no ambiente familiar toxico em que viveu durante sua infância.   


Donny tenta se apoiar em imagens de mulheres fortes e protetoras, como Liz, sua ex-sogra, e Teri.


Liz representaria a tentativa de integrar aspectos positivos da Grande Mãe, mas sua sombra tenta fazê-lo substituir o filho morto, tornando-se uma mãe devoradora.  


Teri, uma mulher trans, talvez representasse a união das forças masculinas e femininas num único indivíduo, mas também evocava sua ambiguidade em relação à sua sexualidade.


Teri tenta ocupar o lugar da anima criativa, que o chama para um relacionamento de alteridade em que as diferenças e dificuldades são encaradas, respeitadas e elaboradas, ela foi a voz do bom senso, o alertando sobre os perigos da relação com Martha, o incentivando a dar queixa na polícia e reivindicando que ele tivesse um comportamento maduro em relação a ela.


Keeley e Teri se respeitaram ao se afastar Donny ao perceberem que o relacionamento não era bom para elas, apesar de Keeley não conseguir impedir a ligação dele com sua própria mãe.


No entanto, Martha foi a protagonista na vida de Donny. Tão importante a ponto de ele catalogar suas mensagens, e ouvi-las como se fossem mensagens motivacionais, mesmo que elas não fossem as mais verdadeiras a seu respeito.


Ela foi obrigada a parar de perseguí-lo, mas ele não abandonou os ganhos secundários que obteve com a perseguição dela. Ele escolheu ficar com Martha através das mensagens guardadas como tesouros preciosos, ao mesmo tempo em que voltava a usufruir da proteção de Liz, complementando seu luto não elaborado, substituindo a presença do filho perdido, simbolizado pelo casaco amarelo.


Esse casaco amarelo marca-texto, impossível de não ser notado, resume a situação psíquica simbólica de Donny, o resto é complemento.


Ele entendia que Liz usava sua presença para preencher a ausência e sofrimento causados pela perda do filho, ele entendia que o comportamento de Martha era delirante, mas precisava delas, como o irmão do louco precisava dos ovos...[14]


E nós? De quais ovos precisamos?


 



[2] Stalker é uma palavra que deriva do inglês, que significa perseguidor. Um stalker é alguém que segue obsessivamente outra pessoa, vigiando suas rotinas, sendo esta perseguição insistente e podendo resultar em ataques ou agressões; o termo deriva para o cyberstalking, ou seja, indivíduos que praticam a perseguição através das redes sociais, é uma forma de violência em que uma pessoa invade completamente a privacidade de outra, seja de maneira pessoal ou  através da Internet ou de perseguições em redes sociais.


[3] A questão do segredo e suas implicações é desenvolvida mais profundamente em meu livro A Verdade no processo analítico, Editora Initia Via, 2019.


[4] Para saber mais sobre o contágio psíquico, pacientes borderline e encontros através da psicopatologia, veja a análise do filme Por que você não chora?  



[5] Relações abusivas são abordadas na análise do filme O Homem Invisível, também no site.  



[6] a mudança súbita de comportamento implica em que um Complexo foi ativado, para saber mais, leia o texto Você tem pavio curto? Também no site.



[7] Discuto essa questão de maneira mais aprofundada no seguinte artigo desse mesmo site: De boas intenções o inferno está cheio – A sombra da bondade e da caridade https://www.solangeschneider.com/de-boas-intencoes-o-inferno-esta-ch


[8] A análise do filme Coringa pode ser lida no meu site: https://www.solangeschneider.com/post/coringa-a-analise-d

[9] https://www.scielo.br/j/rprs/a/xJcmrrndSW7S4Lcs4zDm4zK/#:~:text=A%20s%C3%ADndrome%20de%20De%20Cl%C3%A8rambault,alocada%20entre%20os%20transtornos%20delirantes.



[11] De acordo com Freud, o paciente repete em vez de recordar, repete tudo o que já avançou a partir das fontes do reprimido (sombra, para Jung) para sua personalidade manifesta – suas inibições, suas atitudes inúteis e seus traços patológicos de caráter.


[12] Discuto a teoria dos complexos em meu texto: Você Tem Pavio Curto? Entenda isto através da Teoria dos Complexos de Jung



[13] Discuto mais profundamente a questão da identidade e da persona em meu livro Complexo Individual e Cultural – Entre o fascínio e o perigo na busca pela alteridade nas relações interculturais, em vários capitulo, iniciando nas páginas 68,72, 147, 155.


[14] Essa é uma referência a uma piada clássica entre psiquiatras e psicoterapeutas – Um indivíduo vai ao psiquiatra e diz: - Doutor, meu irmão [e louco, ele pensa que [e


Referências Bibliográficas


1 FREUD, S. Recordar, repetir e elaborar. Obras Completas. ed. [S.l.]: [s.n.], 1914.


2 FREUD, S. A dinâmica da transferência. Obras Completas. ed. [S.l.]: [s.n.], 1912.


3 JUNG, C. G. The Practice of Psychotherapy. New Jersey: Princeton University Press, v. XIV , 1966.


4 JUNG, C. G. A Natureza da Psique. Petropolis : Vozes, 1984.


5 SCHNEIDER, S. B. A Verdade no processo analítico. 9788595470828. ed. Belo Horizonte: Initia Via, 2019. 139 p.


6 SCHNEIDER, S. B. Complexo Individual e Cultural - Entre o fascínio e o perigo na busca pela alteridade nas relaçoes interculturais. Curitiba : Appris, 2023.


7 SCHNEIDER, S. B. O Feminino e o Masculino - por meio da cultura, religião, mitologia e contos de fadas. Curitiba, PR: Appris, 2021.


8 JUNG, C. G. Estudos Experimentais. Petrópolis: Vozes, 1997.


 



Comentarios

Obtuvo 0 de 5 estrellas.
Aún no hay calificaciones

Agrega una calificación
bottom of page